quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Líquido
o amor por entre teus olhos
      esvaziado
               vazado
azul cegado.
Negado o foco
lente da tragédia
          banal.
Em panorâmica 
  cortado
     antes do final.

2 comentários:

Maria Regina disse...

Adorei o poema!
Seu espaço é muito legal!
Um abraço
Maria Regina

Boaz Novas Poesia Contemporânea disse...

Espiral surreal, genial!