quarta-feira, 22 de setembro de 2010


Egon Schiele - The Embrace (Lovers II)



for him

Te quero eterno em meus instantes
e, assim sendo,
que sejas fugaz em minhas constâncias,
solar em meus invernos,
tormenta em meus dias pares,
e absurdo nos ímpares.
Que me acompanhes,
mesmo quando eu insistir em não ir,
e não me sigas em minhas determinações,
simplesmente me olhes,
e eu pararei a tempo: te encontrei...

sábado, 18 de setembro de 2010

Kasimir Malevich - White on White, 1918

A soma de todas as cores
tatua na pele a pulsação do mármore:
corpo-obra,
experiências em um museu de possíveis.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Verbetes


Marc Chagall


Devagar, sem pressa,
suavemente, sem brusquidão.
De forma progressiva,
divagar...
Caminhar sem rumo,
falar coisas sem nexo, desvairar.
Fugir do assunto, desconversar,
soltar o pensamento, sonhar...

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Jouir de vivre

Claude Monet - Le dejeuner

Surreal !, a tigela de cereal no café matinal
destoando do pegajoso mingau -
insistente ao deixar sua baba no florido avental.
Ah, se me fosse dado o dom natural !
Eu comporia uma bucólica pastoral...

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Silogismo aliterante




Paul Cézanne - The Black Clock, 1870



No espaço discursivo de meu sistema, experimento
a substancialidade da desorganização de minha forma,
a matéria de minhas memórias desencontradas -
invenções de ser e tempo.

Entre o ser e o nada
pende a poética reconciliada pelo temor.
Silêncio!, pois ainda há tremor...

Sou humano, demasiado humano,
e saboreio o nada saber em meio a durée deste dubitar.
Insisto, logo, concluo: ainda sonho que existo!,
e não há relógio a alarmar o meu despertar.

quinta-feira, 4 de março de 2010

One year later ...

George Grosz - The Lovesick Man - 1916


Sim, aqui estou eu,
raízes fincadas
de onde fui arrancada.
Sim, agora não há happy end,
é só o tempo que se estende
trazendo a palavra ritmada
em coreografia marcada.
Sim, aqui estou eu,
no ponto zero de minha escala,
no zênite de meus planos,
com minha cara dada ao tapa
para mais alguns anos.


quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Disléxico ao natural




Estranhos sentidos
de palavras alteradas.
Possibilidades negadas
em um mundo anterior inventado.
Duvidar meu dizer
traz significados...

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Paul Gauguin- Eve - Don't Listen to the Liar




Nenhuma sobra,
apenas mais uma dobra
na peça sem personagem.

Nenhuma obra,
sem lugar,
nada mais se cobra,
a atitude é a engrenagem.

Nenhuma cobra,
e em um jardim repleto,
o conhecimento não é manobra,
só há folhagem.